sábado, 4 de fevereiro de 2017

Otto Stupakoff, o precursor da Fotografia de Moda no Brasil

Apaixonados por Fotografia e História da Moda não podem deixar de conferir a exposição “Otto Stupakoff: beleza e inquietude”, no Instituto Moreira Salles do Rio. A mostra, com curadoria de Bob Wolfenson e Sergio Burgi, apresenta uma retrospectiva da carreira de Otto, um dos maiores fotógrafos do Brasil. São cerca de 300 fotos que abordam registros de viagens, família, campanhas publicitárias e ensaios para revistas.

Otto Stupakoff

Otto foi um dos precursores da Fotografia de Moda no Brasil, realizando o primeiro editorial de Moda que se tem notícia em nossa história, em 1958. A Fotografia de Moda nacional se desenvolveu associada à atuação da Indústria Têxtil no país. Não à toa Otto fotografou campanhas icônicas para a Rhodia, como o encarte publicitário que circulou junto à revista Manchete intitulado “A personalidade da moda para o inverno de 1961”, onde retrata nomes ilustres como Oscar Niemeyer, Tom Jobim, Dener e Jorge Amado ao lado das principais modelos da época.

Oscar Niemeyer fotografado por Otto para campanha da Rhodia, em 1961
Campanha para Rhodia

O fotógrafo também clicou diversos editoriais para revistas nacionais como O Cruzeiro, Cláudia e Jóia. Fora do Brasil, ele obteve bastante êxito, fotografando para publicações como Harper’s Bazaar, Glamour e Vogue Paris, editoriais com criações de Saint Laurent, Dior, Givenchy e Ungaro, além de clicar personalidades da época como a magnífica atriz Sharon Tate, a princesa Grace Kelly e o escritor Truman Capote.
Editorial para Vogue Paris
Sharon Tate para Harper's Bazaar, 1967

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

As luvas azuis de Melania

Via HildegardAngel

Guia prático e ilustrado para bem se enluvar...

As luvas, desde a posse de Donald Trump na última sexta-feira, caíram na boca do povo da moda, de quem gosta de moda, de quem entende e de quem não entende dela. E delas, as luvas.

Comparações do look da nova primeira-dama Malania Trump com Jacqueline Kennedy não faltaram. Vestindo um conjunto de bolero e tubinho azul bebê assinado por Ralph Lauren, Melania preferiu seguir a linha extremamente clássica e optou por usar luvas e sapatos na mesma cor da roupa. Por trás dessa escolha, já podemos confirmar que Melania não é de surpresas, nem tão pouco ousada quanto a ex-primeira dama Michelle, que costumava usar luvas contrastando com as roupas, num look mais trendy.

Melania, apesar de muito bela, parecia ter saído de uma caricatura da década de 60. Na tentativa de se parecer – forçadamente – com Jacqueline Kennedy, a primeira-dama, ou melhor, seu stylist, acabou pecando pela falta de originalidade. O que vimos ali foi um look datado. Talvez seja isso mesmo o que este novo governo de Trump represente. As roupas também exprimem significados e devemos estar sempre atentos.

Em se tratando de luvas, usá-las da mesma cor que a roupa não é um erro. Apenas, é datado. Nas décadas de 40 e 50 era habitual. Havia espaço, também, para luvas ton-sur-ton. Mas isso não era uma regra. Muitas mulheres optavam por luvas brancas ou pretas. Em geral, as pretas, eram para looks de festa, à noite. As luvas curtas e/ou ¾ eram usadas apenas durante o dia, as longas, exclusivamente para a noite. Hoje, não há tanto rigor.

Grace Kelly e Jacqueline Kennedy eram fãs de luvas brancas e gostavam de vesti-las contrastando com o look.

As luvas caíram em desuso por volta dos anos 60. Primeiro, pararam de ser usadas nos eventos diurnos. Posteriormente nos noturnos. Contudo, continuaram a ser usadas em eventos de grande gala, sobretudo, nas cortes europeias, nas solenidades oficiais obedecendo a protocolos. Nos países tropicais, como o Brasil, elas foram sumariamente abolidas; passaram a ter seu uso apenas pelo pessoal de serviço em ocasiões de grande importância, garçons, maîtres etc., ou para proteção das mãos no frio ou condução de motos, automóveis, além de alguns esportes, como o boxe, a equitação e a esgrima, por exemplo.

Até hoje, há um protocolo rigoroso que deve ser obedecido por quem usa luvas, como não se servir de alimentos com as mãos enluvadas, além de não usar anel, pulseira ou relógio por cima delas. Na hora dos cumprimentos, é educado retirar as luvas. O que as majestades e mulheres de dignitários não fazem, como nos acostumamos a ver nas fotos da Rainha Elizabeth II e nas recepções da Casa Branca.

No Brasil, a elegante que mais pratica a arte de se enluvar é Fernanda Basto. E faz isso com grande classe. Abaixo, algumas inspirações antigas e atuais:




sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

O pioneirismo de Zuzu ecoa mundo afora

No ultimo People’s Choice Awards, que premia séries, músicas e filmes da cultura pop americana, a atriz Jamie Chung usou um vestido belíssimo de rendas brasileiras, da estilista Martha Medeiros. O pioneirismo de Zuzu do anos 60 caminhou a long, long way até o red carpet, numa bem-sucedida criação de Martha. Zuzu, foi a primeira estilista brasileira a trabalhar as rendas nacionais, em uma época que todos se voltavam para a Moda parisiense. Esses vestidos transgrediram o clássico, propondo a brasilidade das nossas rendas singelas.

Martha tem feito bastante sucesso lá fora e já vestiu nomes como Jessica Alba e Sofia Vergara.

Abaixo, o vestido usado por Chung, assinado por Martha Medeiros e os vestidos de renda do Norte, de Zuzu Angel, da década de 70.




segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

5 meninas bordadeiras pra grudar desde já!

O bordado foi uma das grandes paixões de Zuzu Angel. Foi através dele que ela se expressou em sua mais icônica coleção, na década de 70, denunciando ao mundo sua dor como mãe pelo desaparecimento de seu filho, Stuart, e os horrores da Ditadura Militar Brasileira.

De um tempinho pra cá, o bordado voltou à cena, atraindo, especialmente, os mais jovens, que cada vez mais vem se interessando pelos ofícios manuais, como a tecelagem, o crochê, a costura. Há um grande interesse por parte das novas gerações em aprender essas técnicas. Não é a toa, que estamos vivendo um verdadeiro boom de novos artistas de bordado. Mas esqueça a Moda. Os bordados da vez não necessariamente adornam roupas. A decoração é a grande vedete. Ter um bordado pendurado na parede da sala passou a ser um "statement". O bastidor é a moldura, o tecido é a tela e a agulha, o pincel.

Selecionamos 5 meninas bordadeiras talentosas pra você seguir no Instagram! ;)
Dá uma olhada: 


















segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

A cor que tira o apetite!

Nós, brasileiros, adoramos seguir uma superstição no Ano Novo, acreditando que as cores que vestimos possam trazer paz, amor, dinheiro, harmonia e bons fluídos, não é mesmo? Mas falando em termos científicos, a psicologia das cores é algo bastante intrigante. Nosso cérebro é capaz de assimilar cores, traduzindo-as em sentimentos e sensações, sabia?



Recentemente, a modelo Kendall Jenner, publicou em seu Instagram uma foto de sua sala com as paredes pintadas de rosa em um tom conhecido como “Baker-Miller Pink” (algo parecido com o chiclete). A razão que a levou a optar por este rosa foi o fato dele “cortar o apetite”. Kendall revelou que foi jantar com alguns amigos que haviam acabado de visitar a exposição “Human Condition”, em cartaz em um hospital de Los Angeles. Na expo havia um quarto neste tom, cuja justificativa dizia que era cientificamente comprovado por acalmar e “tirar o apetite”. A modelo não pensou duas vezes: “Preciso dessa cor na minha casa!” – disse.


É comprovado que outras cores também provocam em nós alguns sentimentos e sensações. O vermelho, por exemplo, pode estimular o apetite e os impulsos, por isso, é bastante usado por marcas de comida e em avisos de promoções em lojas. O amarelo estimula o otimismo e a esperança, sendo muito usado em anúncios de ofertas. Já o azul estimula a sensação de serenidade e segurança, por isso, algumas empresas o utilizam pra conquistar confiança e demonstrar profissionalismo. O preto, além de representar o luto, é, uma cor que remete à sofisticação, sendo usado quando se quer falar ou vender artigos de luxo. O preto induz, também, à curiosidade e ao mistério.


Não é a toa que a Coca-Cola é vermelhinha

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

5 Ilustradores de Moda pra Seguir no Instagram

O que torna um artista inesquecível? Além de ser inovador e criativo, ele precisa ter o que chamamos de “assinatura pessoal”. Algo que você olhe e identifique logo de cara, sem precisar de legenda ou qualquer outra explicação: “essa obra é de fulano!” O segredo pode estar no traço, nas cores, na técnica... Todo artista deve possuir a sua própria assinatura. E não pensem que é algo fácil. Alguns levam uma vida pra descobrir. O mesmo acontece com as marcas icônicas da Moda e seus criadores: Chanel, Saint Laurent, Dior, Zuzu Angel... Você olha pra roupa e logo identifica de quem é a autoria, sem precisar de etiqueta. E, claro, não poderia ser diferente quando falamos de Ilustração de Moda!

Se tivéssemos que eleger os nossos ilustradores de Moda preferidos de todos os tempos, certamente, o brasileiro Alceu Penna com as suas “Garotas do Alceu” estaria entre eles. René Gruau é outro que poderíamos citar com seu traço elegante contornando os modelos mais lindos da década de 50. Quem também entraria pra lista seria Erté com seu estilo Art Déco inconfundível. E, mais recentemente, a francesa Garance Doré, com suas pinceladas minimalistas em nanquim.

Alceu Penna

Erté

Atualmente, na era das redes sociais, todo mundo pode compartilhar sua Arte. Entre tantos, alguns se destacam por seu talento e estilo inconfundíveis. Selecionamos alguns de nossos ilustradores de Moda preferidos da era do Instagram pra você seguir por aqui. Olha só:

@unskilledworker:


@idea_drawings:


@travelwritedraw:



@eirianchapman:



@blairz:


quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

O “couro” do futuro é feito a partir de chá fermentado

A Iowa State University, com o apoio da Agência de Proteção Ambiental dos EUA, em parceria com a professora Young-A Lee e seu time de pesquisadores estão cultivando uma espécie de película composta de fibras de celulose à base de chá verde, algo parecido com aquelas colônias simbióticas de bactérias e leveduras encontradas em alguns alimentos e bebidas da "cultura viva", como o kombucha, que, aliás, é uma delícia!


Quando colhido e seco, o material resultante se parece muito com o couro, podendo ser utilizado em roupas, bolsas e sapatos. Esta pode ser uma boa alternativa ao uso do couro, uma vez que não utiliza matéria animal em sua produção. Uma alternativa não só para veganos, mas para todos nós. Se por princípios você já não consome couro de origem animal e prefere o couro sintético, você pode não estar sendo totalmente sustentável, pois, muitas vezes, o couro sintético pode ser poluente, dependendo da maneira como é fabricado. Já o falso “couro” de chá fermentado possui a sua origem na celulose e é 100% biodegradável.



É claro que até entrar em circulação, muitos testes e melhorias ainda precisam ser realizados. De acordo com a professora Lee, um dos maiores problemas do falso “couro” é em relação à umidade do ar e à pele da pessoa que o veste, pois estes fatores o tornam meno estável, assim como baixas temperaturas. Lee também diz que o material leva muito tempo pra crescer: cerca de 3 a 4 semanas em condições controladas, dentro do laboratório.

"Não leva tanto tempo para fabricar certos materiais sintéticos, mas para este novo material que estamos propondo, é necessário um certo tempo para crescê-lo, seca-lo e trata-lo em condições específicas", disse Lee. "Se o esforço experimental desse projeto for bem-sucedido, este tecido biodegradável à base de celulose pode ser uma futura alternativa, em vez de se confiar em materiais derivados de fontes insustentáveis".


Mas para a pesquisadora, tudo isso só será viável se houver uma mudança de pensamento da própria Indústria da Moda. Para Lee, quem trabalha na indústria precisa ser totalmente educado sobre este movimento.

"As empresas de Moda continuam produzindo novos materiais e roupas, de estação em estação, ano a ano, para satisfazer o desejo e a necessidade dos consumidores. Pense onde esses itens eventualmente irão. Vão parar em aterros sanitários junto com todos outros lixos." - disse.